APRESENTAÇÃO/HISTÓRIA

Day 4,229, 18:38 Published in Brazil Brazil by Mordekaiiser
MORDEKAISER
O REVENÃ DE FERRO
Em uma época antiga, o feroz mestre de guerra Sahn-Uzal causou grande destruição nas terras selvagens do norte. Motivado por uma crença sombria, ele esmagou cada tribo e povoado em seu caminho, forjando um império banhado em sangue e morte. Com o fim de sua vida mortal se aproximando, Sahn-Uzal tinha grande satisfação em saber que havia conquistado, por toda a eternidade, um assento à mesa dos deuses no glorioso Salão dos Ossos.

Porém, ao finalmente morrer, não encontrou nenhum salão ou glória à sua espera. Em vez disso, Sahn-Uzal se deparou com um deserto vazio e cinzento, coberto por uma névoa etérea e assolado por sussurros dissonantes. Ocasionalmente, outras almas perdidas passavam por perto, pouco mais que formas fantasmagóricas vagando em seus próprios oblívios.

A raiva consumiu Sahn-Uzal. Toda a sua fé não teve sentido algum? Ou sua dominação mundial não bastou para concedê-lo a tão almejada imortalidade? Esse vazio não poderia ser tudo o que restava... embora não parecesse ter fim. Sahn-Uzal observava os espíritos menores lentamente vanescerem na névoa, dissolvidos e perdidos no tempo.

Mas ele se recusava a aceitar o mesmo destino.

Sua determinação, reforçada por fúria e tormento, foi o que o manteve são. Com o tempo, o irreconhecível e desencarnado murmúrio daquele lugar se cristalizou em palavras que ele quase podia compreender. Sahn-Uzal descobriu que se tratava de Ochnun, uma língua profana não falada por nenhum ser dentre os vivos. Lentamente, um plano traiçoeiro começou a se formar no que restava da mente de Sahn-Uzal. Ele começou a sussurrar tentações através do véu entre os reinos, prometendo sua indomável força a qualquer um que ousasse ouvi-lo.

Assim, chegou o dia em que uma congregação de feiticeiros resolveu trazer Sahn-Uzal de volta do abismo dos mortos. Dada a ausência de qualquer carne ou osso, ele os incitou a torná-lo mais forte que qualquer mortal, ligando sua forma espiritual a placas de metal escuras forjadas em semelhança à sua antiga armadura. E assim ele se ergueu como um enorme revenã feito de ferro e ódio.

Famintos por poder, os feiticeiros esperavam usá-lo como arma em suas guerras insignificantes... Em vez disso, ele os matou ali mesmo. Armas e feitiços se provaram inúteis contra o gigante de ferro negro.

Em completo e total desespero, os feiticeiros gritaram seu nome a fim de aprisioná-lo. Foi tudo em vão, pois Sahn-Uzal já não mais existia.

Com um estrondo etéreo, ele declarou seu nome espiritual na língua Ochnun: Mordekaiser.



E assim começou sua segunda conquista do reino dos mortais. Suas ambições continuam grandiosas, mas agora fortalecidas por feitiços de necromancia que outrora ele jamais teria imaginado. Utilizando as pobres almas esvaecidas dos feiticeiros, Mordekaiser forjou uma arma adequada para um imperador da morte: uma maça brutal batizada de Véu da Noite. Com ela, Mordekaiser controlou o exército que os arcanos recém-falecidos haviam criado.

Para seus inimigos, ele só parecia se importar com massacre e destruição. Gerações inteiras pereceram sob suas incansáveis conquistas.

Porém, o plano de Mordekaiser não acabava por ali. Ele ergueu o Bastião Imortal no centro de seu império. Embora a maioria presumisse que o lugar não passava de uma base, alguns chegaram a conhecer os verdadeiros segredos do monumento. Mordekaiser tinha fome de todo o conhecimento proibido sobre os espíritos e a morte, além de ansiar por uma verdadeira compreensão do reino... ou reinos do além.

Tamanha tirania só poderia lhe render inimigos. Surpreendentemente, o Revenã de Ferro acabou derrotado por uma aliança entre tribos de Noxus e uma traição vinda de seu próprio círculo pessoal. Esse conselho oculto conseguiu romper as âncoras que ligavam sua alma à armadura. Depois, a casca vazia de ferro negro foi escondida em um lugar secreto.

Assim, Mordekaiser foi banido do reino material. No entanto, sem que ninguém soubesse, ele já havia se preparado para isso. Na verdade, este evento era uma parte essencial de seu grande plano. Dominação e injúria o levaram longe, mas Mordekaiser sabia que um destino muito maior que o Salão dos Ossos esperava por ele.

Naquele deserto vazio, todos que ele matou durante seu último reinado o aguardavam. Corrompidos pela feitiçaria das trevas, seus espíritos jamais desapareceriam. Os mais fortes compuseram seu devoto e eterno exército, ligado à sua vontade. Mas até mesmo os fracos receberam um propósito.

Do tênue material de suas almas, Mordekaiser forjaria um novo império. Eles seriam os próprios tijolos e cimento que ergueriam seu reinado no pós-vida.

Séculos se passaram em Runeterra, e outro império surgiu em torno do Bastião Imortal. O nome de Mordekaiser ainda é sussurrado com medo e admiração por quem estuda história antiga e lembrado com desgosto pelas poucas e velhas almas que tiveram o infortúnio de conhecê-lo. Para eles, o terror absoluto seria Mordekaiser encontrar um caminho para o retorno permanente.

Todos oram para que isso não aconteça. Afinal, ninguém faz a menor ideia de como detê-lo.


Querem me deter? Então tragam artilharia PESADA!

Meu Armamento é feito de acordo com meu gosto musical Metal e pesado!